China Radio International
(GMT+08:00) 2006-06-20 16:30:59    
Ferrovia Qinghai-Tibet puxará o setor de turismo no oeste da China

cri

O Ministério das Ferrovias anunciou que a ferrovia Qianghai-Tibet entrará em período de testes no dia primeiro de julho. Para isso, especialistas acham que o caminho de ferro ligará a Rota da Seda e o Palácio Potala e vai se tornar um novo pólo de atração turístico. Além disso, a obra vai integrar a região aos grandes pólos turísticos nacionais e acelerará a expansão do segmento em Shangrila.

Especialistas da Academia de Ciências Sociais de Tibet e do Instituto da Economia Industrial da Academia de Ciências Sociais da China fizeram um estudo sobre a influência da Ferrovia Qianghai-Tibet no desenvolvimento socioeconômico do Tibet. A obra deve baratear o custo da viagem e estimular a presença de turistas na região.

Muitos consideram que a viajar ao Tibet é mais difícil do que visitar terras estrangeiras. Com a entrada em operação da Ferrovia, os preços devem cair e incentivar a expansão do setor de serviços na região.

A Ferrovia Qinghai-Tibet começará em Xining, capital do Qinghai e terminará em Lhasa, depois de percorrer cerca de dois mil quilômetros. Os passageiros poderão vislumbrar o Lago Qinghai, a Montanha Kunlun, Kekexili, a nascente dos três principais rios chineses, as pradarias, o Palácio Potala entre outros famosos pontos turísticos. Além disso, os turistas poderão apreciar o imenso deserto de Gobi, as montanhas nevadas, os antílopes tibetanos e outros animais típicos da região.

O diretor-geral da construção da Ferrovia Qinghai-Tibet, Huang Difu, manifestou que a Empresa da Ferrovia Qinghai-Tibet vai disponibilizar um trem turístico de luxo. Ele será equipado com suítes, barzinhos e máscaras de oxigênio contra os efeitos do ar rarefeito. Além disso, todos os serviços serão de primeira qualidade.

Os departamentos turísticos do Tibet, Qinghai, Sichuan e Yunnan já começaram a negociar a exploração do futuro mercado turístico. O Tibet e a província Qinghai assinaram um acordo para desenvolver seus recursos turísticos. O Tibet, e as províncias de Sichuan e Yunnan, anunciaram um investimento conjunto de 50 bilhões de yuans na criação e desenvolvimento de uma zona turística chamada Grande Shangrilá ao longo da próxima década.