• Fanzine• Sobre CRI• Sobre o Dept.
China Radio International
China
Mundo
  Notícias
  Economia
  Cultura
  Ciência e Tecnologia
  Esporte
  Turismo
  Diplomacia

Repórter

Cultura

Turismo

Sociedade

Etnias

Mundo Lusófono

Culinária
(GMT+08:00) 2006-06-14 14:39:42    
Alimentação correta diminui o risco de câncer no intestino grosso

cri

O câncer do intestino grosso é um dos tumores malignos mais encontrados no mundo. Porém, a incidência de casos é desequilibrada: as taxas mais expressivas são registradas na América do Norte, Oceania e na Europa, enquanto ocorre com menos freqüência na Ásia e na África. Nos últimos 20 anos, o número de casos vem aumentando em muitos países. As pesquisas relacionadas mostram que a doença está intimamente ligada aos hábitos alimentares. Quais os alimentos que podem gerar o câncer no intestino grosso e como as pessoas podem se precaver contra a doença?

Ye Xianquan, 62 anos, é um portador de câncer no intestino grosso. Ele lembrou que foi a doença se originou a partir de seus hábitos alimentares. Ele disse:

Comia poucos legumes ou alimentos ricos em fibras. Entre 1982 e 1986, trabalhava em Hong Kong. Naquele tempo gostava das cadeias de fast-foods, assim como passei a consumir manteiga e queijo.

Os hábitos alimentares de Ye em Hong Kong se assemelham aos de muitas pessoas. As pesquisas indicam, contudo, que esses alimentos têm muito a ver com o câncer do intestino grosso. Especialistas manifestaram que o câncer tem uma incidência mais alta nos países norte-americanos e europeus, justamente por conta dos hábitos alimentares, incluindo o consumo de cereais ordinários.

Os alimentos finos contêm mais gordura e menos fibra, fato preponderante para provocar câncer do intestino grosso. A médica-chefe do Departamento de Câncer do Hospital Xiyuan de Beijing, Yang Yufei, disse:

O ácido saturado de gordura contém elementos que podem provocar o câncer. Além disso, a gordura em grande quantidade aumenta o nível de sal expelido na biles.Ao atuar no intestino grosso, pode produzir, juntamente com alguns tipos de vírus, elementos que podem provocar o câncer.

Pesquisas ainda mostram que as pessoas que consomem diariamente mais de 500 gramas de carne de vaca ou de porco estão mais sujeitos ao câncer do intestino grosso. Portanto, especialistas propõem que o consumo diário dessas carnes não ultrapasse a casa de 300 gramas. Ao mesmo tempo, lembram, o nível de ácido insaturado de gordura presente nas carnes aviária e de peixe é maior, reduzindo a possibilidade de câncer.

Outra razão pela qual as comidas finas podem provocar câncer do intestino grosso está em sua perda de fibras ? eficazes na contenção do crescimento de células que portam o câncer - durante seu processo de produção.

Yang disse:

Os alimentos ricos em fibra têm mais vitaminas e são um importante fator na resistência ao câncer. Ao mesmo tempo, as fibras impulsionam o movimento do intestino grosso, diminuindo o tempo de permanência dos alimentos não aproveitados.

Especialistas consideram que as pessoas devem absorver pelo menos 20 gramas diárias de fibras. Portanto, devemos comer cereais ordinários, como por exemplo, milho, cevada, painço, cenoura, feijão etc.. Outros alimentos que ricos em fibras são as frutas e legumes. Vale ressaltar que o pepino não tem tantas fibras como se imagina.

Os alimentos fritos são outra fonte do câncer do intestino grosso. O vice-médico-chefe do Departamento do Câncer do Hospital Xiyuan, Wu Yu, disse:

Os alimentos fritos são saborosos, mas não fazem bem à saúde, especialmente, quando a temperatura do óleo ultrapassa os 160 graus, ou seja, quando o óleo começa a soltar fumaça.

Os alimentos assados e os enlatados também devem ser evitados.

As precauções, no entanto, não implicam na proibição da adequada degustação dos alimentos. Basta não comermos diariamente e em alta quantidade. Yang Yufei propôs:

Não precisam se preocupar muito, porque o câncer é uma doença acumulada durante muito tempo. Comer um ou outro churrasquinho não é problema

Como disse a doutora, o negócio é ficar de olho na quantidade e na qualidade dos alimentos.