• Fanzine• Sobre CRI• Sobre o Dept.
China Radio International
China
Mundo
  Notícias
  Economia
  Cultura
  Ciência e Tecnologia
  Esporte
  Turismo
  Diplomacia

Repórter

Cultura

Turismo

Sociedade

Etnias

Mundo Lusófono

Culinária
(GMT+08:00) 2006-05-31 09:05:30    
Dos campos para a fundição: Zhu, o trabalhador modelo 2005

cri

O Dia Internacional do Trabalho deste ano, ou seja, o dia primeiro de maio, foi um dia especial para Zhu Zhisheng, 37 anos, funcionário do Grupo Siderúrgico de Hangzhou, da Província de Zhejiang, leste da China. Não por acaso. Ele recebeu o prêmio Trabalhador Nacional do Dia Primeiro de Maio, honra que todos os trabalhadores chineses sonham em conquistar.

O Grupo Siderúrgico de Hangzhou, com mais de 50 anos de história, está entre as 500 maiores empresas da China. Há mais de dez anos, a empresa admitia trabalhadores. Naquele tempo, Zhu Zhisheng, ainda era um camponês que vivia numa aldeia distante a mais de 100 quilômetros de Hangzhou. Depois de saber a notícia, Zhu se inscreveu imediatamente. Logos depois foi admitido e começou a trabalhar na oficina de fundição

Ele ficou muito nervoso quando viu pela primeira vez em sua vida uma fornalha:

"Senti muito medo. Nunca havia sentido uma alta temperatura em minha vida."

O trabalho de fundição é árduo. Muitos não resistem ao seu intenso ritmo de trabalho. Zhu, no entanto, sempre resistiu às insalubridades e, após anos de experiência, tornou-se um metalúrgico.

Para um metalúrgico, era muito importante conhecer o processo de fundição. Para tal fim, Zhu sofreu muito. A temperatura de ambiente pode chegar a 1.700 graus centígrados. Para conhecer o processo de fundição, ele observava a fornalha por horas a fio, deixando no lado o sofrimento. Seis meses depois, ele conheceu o processo de fundição.

Mas, o Zhu não se satisfez com o sucesso inicial. Além da força, os operários também devem ter conhecimentos científicos. Ele disse:

"A fábrica é muito diferente do campo. Os trabalhadores devem ter alguns conhecimentos científicos e administrativos".

Para dominar mais tecnologias siderúrgicas, Zhu comprou muitos livros técnicos e investiu seu tempo livre em seus estudos. A famosa zona paisagística, Lago Xihu, fica exatamente em Hangzhou, mas Zhu nunca foi visitá-la.

Zhu descobriu os diferentes métodos de produção de aço. Sua perseverança é lembrada por velhos companheiros e mestres de trabalho. O mestre Luo Gang disse:

"Depois de terminar o trabalho, Zhu vinha à minha casa freqüentemente para discutir novas questões para ele, como a questão do processo de desoxidação".

Com o tempo, Zhu tornou-se um hábil moldador. Algumas das avançadas técnicas de produção foram criadas por ele e acabaram batizadas com seu nome. Com estas maneiras, se elevou muito a qualidade do aço e se reduziu também muito tempo. Uma de suas inovações elevou em duas mil toneladas a capacidade de produção diária e economizou 800 mil yuans em custos.

Zhu assumiu há seis anos a chefia do grupo de fundição do forno Nº1, o mais atrasado em termos de produção. Desde então, ele vem focando a administração do pessoal e à exploração dos talentos sob seu comando. Sob sua direção, todos os operários do grupo passaram a ampliar seus esforços para a produção. O antigo operário do grupo Luo Jilai, disse:

"Estabelecendo exemplos com a própria conduta, Zhu gosta de mobilizar os colegas. Sempre me senti muito bem trabalhando com ele".

Para melhorar sua capacidade de administração, Zhu decidiu investir em novos conhecimentos. Ele freqüentou durante três anos, por conta própria, o curso de administração de uma universidade com dois anos e meio de duração, obtendo seu diploma.

Ele mudou a face de seu grupo de trabalho, colocando-o no primeiro lugar entre os 12 grupos de fundição da empresa.

Pela sua alta técnica e excelente administração, Zhu obteve diversos títulos honorários, sendo listado entre os 10 melhores operários jovens de 2003.

Caro ouvinte. Você ouve a canção "Os operários são fortes", a predileta de Zhu. Para ele, a canção representa a intrepidez e a generosidade dos operários.