• Fanzine• Sobre CRI• Sobre o Dept.
China Radio International
China
Mundo
  Notícias
  Economia
  Cultura
  Ciência e Tecnologia
  Esporte
  Turismo
  Diplomacia

Repórter

Cultura

Turismo

Sociedade

Etnias

Mundo Lusófono

Culinária
(GMT+08:00) 2005-10-25 09:59:45    
Modernização de medicina tradicional chinesa atrai atenção mundial

cri
Mais de 120 países e regiões tem estabelecido instituições ou clínicas de medicina tradicional chinesa e estão unindo esforços a nível mundial para abrir novos caminhos para a revitalização da ciência antiga.

A medicina tradicional chinesa, um componente importante da cultura chinesa, é amplamente aceito a nível mundial porque se moderniza ao aproveitar as teorias científicas, tecnologias e métodos modernos.

A Segunda Conferência Internacional de Ciência e Tecnologia sobre Medicina Tradicional Chinesa, realizada em fins de setembro passado em Chengdu, capital da província de Sichuan, Sudoeste da China, atraiu mais de 3.000 funcionários governamentais, representantes de firmas farmacêuticas, cientistas e investigadores de 42 países e regiões.

A conferência de três dias tem mostrado a ciência e tecnologia mais recentes na medicina tradicional chinesa, as perspectivas industriais e a cooperação internacional.

Os participantes na conferência se estão focalizando temas tais como alta tecnologia na moderna medicina tradicional chinesa, crescimento sustentável e a utilização dos recursos da medicina tradicional chinesa, assim como investigação clínica sobre a efetividade e seguridade da medicina tradicional chinesa.

Mais e mais pessoas de outros países estão começando a crer na efetividade da medicina tradicional chinesa, o que tem propiciado um rápido crescimento da indústria da medicina tradicional chinesa.

As estatísticas mostram que um total de 14.000 clínicas de medicina tradicional chinesa tem sido estabelecido até o momento na França, Grã-Bretanha, Canadá e Austrália.

Atualmente, o Japão tem aproximadamente 15.000 pessoas dedicadas a negócios relacionados com a medicina tradicional chinesa.

A República de Coréia tem desenvolvido um mercado de medicina chinesa de mais de US$1 bilhão.

A medicina tradicional chinesa não só é aplicada em países asiáticos, também se tornou um setor legal em muitos países europeus e americanos.

A França tem admitido que a prática da anestesia por meio de acupuntura e da medicina tradicional chinesa têm sido incluídas no curriculum das instituições médicas de ensino superior do país. A medicina herbácea da China foi incluída no seguro médico da França em 1999.

A medicina chinesa é muito popular na Alemanha, onde a gente pode comprar medicamentos chineses na maioria das fármacias.

Na Austrália, pelo menos 2,8 milhões de pessoas visitam especialistas em medicina tradicional chinesa cada ano e existem mais de 2.000 praticantes de medicina tradicional chinesa em Sydnei e Melbourne.

A medicina tradicional chinesa está obtendo gradualmente o reconhecimento legal nos Estados Unidos, onde existem 12.000 acupunturistas registrados e 53 escolas de medicina tradicional chinesa. Tem sido incorporada ao seguro médico por um crescente número de firmas de seguros americanos.

Na Índia, a medicina chinesa, assim como as formas tradicionais chinesas de melhoria da saúde, tais como as pelotas para a saúde, o boxe de Taijiquan (uma espécie de exercício físico tradicional chinês) e a aplicação de Qigong, entre outras, são sumamente elogiadas.

A divulgação mundial do conhecimento e tecnologia da medicina tradicional chinesa tem impulsionado as exportações a grande escala de medicinas chinesas, por um total de US$500 milhões anualmente.

Representantes, funcionários e especialistas que assistem à atual conferência internacional de ciência e tecnologia sobre medicina tradicional chinesa alcanlçaram consenso sobre a ampliação da cooperação científica na modernização da medicina tradicional chinesa.

Mais de 40 países e regiões, assim como instituições médicas internacionais tem aceitado e respondido a uma proposta apresentada pelo governo chinês para estabelecer um mecanismo de cooperação científica internacional para a modernização da medicina tradicional.